18

Bolo de Castanha-do-Pará


Adoro quando não espero muito de uma receita e ela acaba me surpreendendo. Esse bolo é bem simples, mas com certeza dá pra comemorar um aniversário improvisado com ele, pois fica extremamente úmido e saboroso, ainda que eu tenha pulado a etapa de molhá-lo com licor e não ter feito o glacê sugerido pelo livro. Também não cortei o bolo em 3 camadas, e sim em 2, pois não sou muito boa nessas coisas e a massa é bem macia. Bastou o recheio no meio mesmo e uma cobertura com mais castanhas. Recomendo.
Ainda tem, alguém quer um pedaço?

Ingredientes:
Massa:
1 xícara (200 g) de manteiga
1 xícara de açúcar
3 ovos
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo peneirada
1 colher (chá) de baunilha
1 colher (chá) de fermento em pó
1 xícara de castanhas-do-pará moídas
1 xícara de leite
licor de sua preferência (não usei)

Recheio:
1 lata de leite condensado
1 xícara de castanhas-do-pará moídas
1 colher (sopa) de manteiga

Preaqueça o forno médio (180°). Unte com manteiga e polvilhe com farinha de trigo uma forma redonda de aro removível. Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar. Depois vá acrescentando um ovo de cada vez, batendo a cada adição, até obter um creme claro. Junte a farinha, a baunilha e o fermento. Misture as castanhas e o leite. Espalhe a massa na forma e asse por 40 minutos. Deixe esfriar. Desenforme e corte o bolo em três camadas (só cortei em duas). Umedeça-as com licor e reserve.
Para o recheio, misture o leite condensado, as castanhas e a manteiga em uma panela e leve ao fogo médio, mexendo até que o creme se desprenda do fundo da panela. Recheie as camadas do bolo, colocando uma sobre a outra.
Decore o bolo com castanhas moídas e/ou em lâminas.

Fonte: O Grande Livro de Receitas de Claudia (2006), p. 215.

20

Quesada Pasiega


Mesmo com muita coisa em minha listinha de receitas por fazer e com uma virose que me deixou apática, não resisti preparar essa quesada quando a vi no Rainhas. Era a oportunidade ideal de usar um belo e macio queijo que ganhei da minha irmã, até porque depois ela vem buscar metade da quesada pra ela, viu, Lid?
Como eu não tomo café depois do meio-dia (pra não ter que passar a noite olhando para o teto) comi um pedação com iogurte. Estava bom demais.

Ingredientes:
800 g de queijo minas fresco (usei um queijo tipo de coalho)
100 g de manteiga
350 g de açúcar
125 g de farinha de trigo
4 ovos
Casca ralada de 1/2 limão siciliano (usei limão galego)
1 colher (sobremesa) de canela.

Esfarele bem o queijo (sem soro) com um garfo, tampe e reserve. No meu caso eu ralei o queijo no ralo fino do processador. Na batedeira, bata os ovos, acrescente a manteiga derretida, o queijo, a canela e a casca ralada de 1/2 limão. Bata devagar até obter uma mistura homogênea. Junte o açúcar, a farinha e bata até estar uniforme (a parte da farinha não confiei à batedeira, foi com batedor de mão mesmo).
Leve ao forno preaquecido em forma (grande) untada com manteiga (a massa não deve exceder 3 centímetros de altura). Asse por 30 minutos ou até que passe pelo teste do palito.

Fonte: Rainhas do Lar.

16

Presentes da Akemi

É uma grande sensação abrir uma caixa cheia de coisinhas vindas do outro lado do mundo enviadas por uma moça muito linda. Diga se esse avental não é uma fofura? Esse só vai pra cozinha pra fazer tipo pras visitas. 🙂
Akemi, você diz que foram apenas humildes lembranças, mas nem imagina como adorei tudo. Meu marido quis comer tudo de uma vez, imagina! Obrigada mais uma vez!

14

Bolo de Banana, Mel e Cardamomo [Sour Cream]

Mais uma com o cardamomo para o Colher de Tacho. É uma receita bem simples que achei numa busca pela internet (site desativado). Foi uma surpresa boa, pois não esperava muito. O fato é que o bolo ficou muito bom e não só pelo cardamomo, mas pelas banana chips, que eu até pensei em não usar e acabou dando um sabor e crocância indispensáveis. A maneira de preparo é muito semelhante à de muffins, portanto se alguém se arriscar nessa, fica a sugestão de fazer nesse formato, com as bananas chips no topo, acredito que ficaria ótimo.
A receita poderia ter canela no lugar do cardamomo para aqueles que não conseguem encontrá-lo de jeito nenhum. Apesar do cardamomo dar um aroma e “tempero” ao bolo sem igual, acho que a receita poderia encontrar outras versões, pois o bolo fica muito macio e suave, com o docinho leve do mel.

Ingredientes:
2 bananas médias, não muito maduras, descascadas
110 g de mel
15 bagos de cardamomo (verde)
250 g de farinha de trigo com fermento (não tinha, adicionei 1 e 1/2 colher de chá de fermento em pó)
175 g de manteiga
75 g de açúcar
2 ovos grandes batidos
2 colheres (sopa) de sour cream* (veja abaixo)
1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal
Cerca de 60 g de banana chips

Preaqueça o forno em 170°. Unte bem uma forma quadrada de 18 cm (usei uma retangular pequena), forre com papel manteiga e unte por cima do papel. Numa tigela grande, peneire a farinha, o bicarbonato e o sal. Reserve. Esmague os bagos de cardamomo, descartando as cascas e passando as sementes num pilão ou algo do tipo. Reserve também.
Coloque a manteiga, o açúcar e o mel numa panela e leve ao fogo baixo até a manteiga derreter, o açúcar dissolver e o mel ficar líquido. Retire do fogo. Junte a esta mistura as bananas já bem amassadas e mexa bem. Adicione os ovos e o sour cream, depois o cardamomo e a mistura de farinha. Misture ligeiramente os ingredientes (não precisa bater muito). Coloque a massa na assadeira e sobre ela distribua algumas banana chips em fileiras. Asse por cerca de 50 minutos, ou até passar no teste do palito. Deixe esfriar na forma por 15 minutos antes de desenformar.

*Sour Cream
(opção 1): Coloque 1 colher (sopa) de sumo de limão numa xícara de 240 ml e complete com iogurte.
(opção 2): Misture 250 ml de creme de leite fresco com 1 colher (sopa) de sumo de limão numa tigela de vidro por 10 a 30 minutos em temperatura ambiente até engrossar. Se não for usar na hora, guarde na geladeira.
Outras opções para sour cream aqui.

Fonte: Recipes of Diocese of Oxford (site desativado).

21

Purê de Batata-Doce com Cardamomo


Quando vi o rei da quinzena do Colher de Tacho, a primeira coisa que pensei foi que eu não iria participar, pois nunca tinha visto cardamomo e nem ao menos imaginava seu gosto. Depois pensei que a proposta do Colher é exatamente você se aventurar no incerto com várias outras pessoas ao mesmo tempo e poder descobrir o novo ou renovar o velho (pelo menos é assim que vejo). Então decidi que eu iria procurar o tal, e até já sabia onde, no Emporium Vinum, do Shopping Deo Paseo, que é um dos poucos lugares aqui onde acho produtos (principalmente importados) interessantes. E lá se foi mais uma cápsula para minha caixinha:

Depois do ingrediente, vem a receita. Quase todo mundo fez uma “googleada” e nessa eu achei muita coisa em sites estrangeiros, pois a busca em português não me deu resultados interessantes.
No fim, fiquei com duas, esse purê de batata-doce – fazia tempo que eu estava com vontade de batata-doce – e um bolinho que será feito depois, nos próximos capítulos. Servi o purê com filé e cebola grelhados e gostei muito, mas depois achei que ficaria melhor se fosse com um frango. Com as cebolas, no entanto, combinou muito.
Fiquei pensando como eu poderia descrever o sabor do cardamomo, porque não achei parecido com nada, mas ele tem um cheiro bem parecido com raiz de pepaconha. O que posso dizer é que ele tem um sabor “fresh”, algo quase menta, mas é meio difícil de descrever pois é único.

Tomei como base essa receita, mas fiz bem diferente. Resultado, um purê delicioso, com um sabor que fica reverberando na boca por um bom tempo. Como fiz no processador – justamente porque ainda não tenho um pilão – deixei que ele fizesse o trabalho de moer as sementinhas, mas algumas não processaram e eu as retirei do purê na hora de servir. Talvez nesse caso fosse mais prático ter usado o cardamomo em pó.

Ingredientes:
1 kg de batata-doce
1/2 copo de requeijão
sal e pimenta-do-reino a gosto
6 bagos de cardamomo

Cozinhe em água e sal as batatas, até ficarem macias. Tire as cascas e passe-as no processador ainda quentes, junto com o requeijão, o sal, a pimenta e as sementes dos bagos pisadas num pilão. Isso pode ser feito sem o processador, basta usar um espremedor de batatas.

Fonte: All Recipes.

Veja essa receita preparada no 7º Inter-Blogs do DCPV.

15

Tortinhas de Milho


Outra receita do meu fichário Cozinha Criativa. Engraçado é que esse fichário foi salvo de uma lata de lixo pra ser meu. Quando morava com minha mãe, uma vizinha do condomínio havia juntado no hall uma pilha de revistas que ela não queria mais e esse fichário – novíssimo, por sinal – estava na pilha. Meu pai lembrou logo de mim e pediu pra ele. Não está completo, eu acho, mas deve ter centenas de receitas.
A indicação do texto é que essa tortinha serve como acompanhamento de assados e penso que a idéia de usar tortinhas para acondicionar outros tipos de purê, como o velho purê de batatas ou um purê de ervilhas, parece legal.

Ingredientes:
Massa:
250 g de farinha de trigo
100 g de manteiga ou margarina
1 gema
1 pitada de sal
3 colheres (sopa) de água

Recheio:
2 latas (400 g) de milho verde escorrido
1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (chá) de açúcar
sal a gosto
1/2 xícara de leite

Numa tigela, coloque a farinha, a manteiga, a gema, o sal e a água. Amasse tudo com as pontas dos dedos até misturar muito bem. Deixe a massa descansar por 1 hora. Preaqueça o forno em temperatura média (180°). Unte forminhas de empada, de tamanho médio, com manteiga. Com as mãos, vá pegando punhados da massa e forrando o fundo e os lados das forminhas, abrindo a massa com os dedos. Leve ao forno preaquecido até a massa ficar assada e dourada.
Enquanto isso, prepare o recheio: coloque 1 lata e meia de milho verde no liquidificador e bata com o leite até formar um purê. Numa panela, coloque o purê de milho verde, a manteiga, o açúcar, sal e o milho verde restante. Leve ao fogo brando para cozinhar, mexendo sempre, até a mistura engrossar.
Retire as tortinhas do forno e desenforme. Recheie cada tortinha com uma colherada do recheio preparado.

Fonte: Fichário Cozinha Criativa.

14

Fudges de Caramelo e Pecãs


Eu tinha guardado a ficha dessa receita e hoje resolvi fazê-la pois foi perfeita pra aproveitar o resto de creme de leite que ia vencer, bem como para experimentar as nozes pecãs, que eu não havia comido ainda. Sobre as pecãs posso dizer que gostei, só achei a textura estranha, mas é mais suave que a noz comum. Sobre os fudges, bem, fora o fato de eu não ter chegado ao ponto perfeito do doce achei-os deliciosos, uma sobremesa perfeita pra deixar na geladeira e depois de um almoço rápido poder saborear um quadradinho. Sofro de uma atração fatal por receitas com caramelo no título, mas morro de medo de fazer esses doces em que você tem que acertar o ponto do açúcar. Na hora de deixar a mistura ferver por 15 minutos deixei o fogo baixo e nada de ponto de bala. Aumentei o fogo e quando achei que estava perto do ponto perdi a paciência. Mas depois de frio, deixei um pouco na geladeira antes de cortar e ficou numa consistência boa.

Ingredientes:
1 e 1/4 de xícara de açúcar
1 xícara de açúcar mascavo bem comprimido na xícara
1 xícara (240 ml) de creme de leite fresco
2/3 de xícara de leite condensado
4 colheres (sopa) de manteiga
1/3 de xícara de água
2 colheres (sopa) de glucose de milho (mel Karo)
3/4 de xícara (75 g) de pecãs bem picadas e levemente torradas
20 a 24 metades de pecãs para decorar

Forre o fundo e as laterais de uma assadeira de 15 x 27 (não tinha, usei uma retangular média) com papel-manteiga ou papel alumínio. Unte o papel com manteiga. Numa panela, coloque os dois tipos de açúcar e misture. Junte o creme de leite, o leite condensado, a manteiga, a água e a glucose, e misture bem.
Leve ao fogo brando e cozinhe, mexendo sempre, até o açúcar se dissolver. De vez em quando, limpe a borda da panela com um pincel molhado em água fria. Quando a mistura ferver, pare de mexer e cozinhe por cerca de 15 minutos ou até ficar em ponto de bala dura**. Tire do fogo, junte as pecãs picadas e misture rapidamente.
Coloque a mistura na assadeira e deixe esfriar por 10 minutos. Distribua as metades de pecãs sobre o doce, a intervalos regulares, pressionando levemente. Deixe esfriar completamente e corte em quadrados. Pode ser guardado em geladeira num pote com tampa, deixando ficar em temperatura ambiente quando for servir.

**Bala dura: tire um pouco da calda da panela e despeje numa tigelinha com água fria. Modele a calda entre os dedos formando uma bolinha arredondada, que deverá ficar dura e quebradiça.

Fonte: Fichário Cozinha Criativa.

22

Muffins de Chocolate [Presentes da Cinara]

Hoje de manhã recebi um pacotinho lindo da querida amiga Cinara que, com sua atenção desmedida me enviou coisinhas que não acho na minha cidade. Claro que não resisti e tive que estrear as gotinhas e as forminhas na mesma hora, com uma receita do blog dela, há muito guardada e ideal para a ocasião. Esses muffins são deliciosos, é claro, e tem que fazer duas receitas pra dar conta porque acaba em segundos mesmo.

Ci, você é uma fofa e sabe que amei demais os mimos e vou usar tudo morrendo de pena de gastar!

Ingredientes:
250 g (1 e 3/4 de xícara) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
2 colheres (sopa) de cacau em pó ou chocolate em pó
175 g (3/4 de xícara) de açúcar
1 pitada de sal
150 g (3/4 de xícara) de gotas de chocolate meio-amargo, mais 1/4 de xícara para decorar
250 ml (1 xícara) de leite
90 ml (1/3 xícara mais duas colheres (chá)) de óleo (usei de girassol)
1 ovo
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Preaqueça o forno a 200°. Em uma tigela, misture a farinha, o fermento, o bicarbonato, o chocolate em pó, o açúcar e o sal. À parte, misture o leite, o óleo, o ovo e a baunilha. Acrescente os ingredientes líquidos aos secos de uma só vez. Misture apenas até incorporar, lembrando que a massa de muffins deve ficar “empelotada” mesmo. Misture as gotas de chocolate à massa. Encha forminhas de muffin até 2/3 da capacidade. Distribua as gotas restantes por cima da massa, e asse por 15 ou 20 minutos, fazendo o teste do palito. Rende 12 muffins.

Fonte: Cinara’s Place.

10

Barras de Sour Cream com Cobertura Streusel


Na sexta-feira, quase sempre reúno alguns amigos aqui em casa de tardinha para a noite e eles geralmente são minhas cobaias culinárias. Ontem, além da receita aqui relatada, repeti uma pizza com a massa de pissaladière da Fer, eu não consigo mais testar outra massa quando penso que essa não precisa sovar, além de ser uma delícia, é claro.
Bom, mas essas barrinhas são mesmo uma coisa: muito macias e úmidas. Os pedaços derretem na boca. Corrijam-me se eu estiver errada, mas streusel é um tipo de cobertura usada em bolos (geralmente coffeecakes) que leva açúcar, canela e manteiga e às vezes farinha de trigo e/ou algum tipo de castanha. É uma receita pra quem gosta de doce. Sugiro que você prepare para seus amigos magros: você tira um pedacinho pra você, uma migalha para o marido e farta seus comensais.

Ingredientes:
Massa:
115 g de manteiga
150 g de açúcar
3 ovos
175 g de farinha de trigo
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de fermento em pó
250 ml de sour cream (veja abaixo)

Sour cream:
Misture 250 ml de creme de leite fresco com 1 colher de sopa de sumo de limão numa tigela de vidro por 10 a 30 minutos em temperatura ambiente até engrossar. Se não for usar na hora, guarde na geladeira (receita da Scarpin).

Cobertura:
175 g de açúcar mascavo escuro
2 colheres (chá) de canela em pó
115 g de nozes picadas
50 g de manteiga em pedaços

Preaqueça o forno em 180°. Unte e forre uma forma quadrada de 23 cm (usei uma retangular de 20 x 26) com papel manteiga, untando por cima do papel também. Reserve. Para a cobertura, junte o açúcar, a canela e as nozes numa vasilha. Misture com a ponta dos dedos, depois adicione a manteiga e continue trabalhando a massa até que fique uma farofa úmida. Reserve.
Para a massa, bata a manteiga na batedeira até ficar macia. Adicione o açúcar e continue batendo até a mistura ficar leve e fofa. Adicione os ovos, um de cada vez, batendo bem a cada adição.
Peneire juntos a farinha de trigo, o bicarbonato e o fermento três vezes. Junte à mistura de manteiga em três porções, revezando com o sour cream. Mexa bem depois de cada adição (sugiro que a última porção seja de farinha). Ponha metade da massa dentro da forma e salpique a metade da cobertura por cima. Ponha a outra metade e salpique o resto da cobertura. Asse por cerca de 60 minutos (o meu assou em 40) até que fique com uma cor marrom dourado. Deixe descansar por 5 minutos antes de desenformar para esfriar. Corte em barras ou quadradinhos.

Fonte: Afternoon Tea – Molly Perham.

14

Quiche de Gorgonzola com Massa de Nozes

Não vai ser ainda a última da semana em que vou usar o tal livrinho (ele está cheio de marcadores). Essa quiche é muito saborosa, bonita e especial. Sou suspeita porque amo alho-poró, mas acredito que agradaria a muitos. A massa com nozes é convidativa e combina muito bem com o recheio. A minha substituição pelo Gorgonzola foi tão somente pelo preço do Roquefort, 5 vezes mais caro que aquele, talvez porque tenha sido feito com o leite das ovelhas do rebanho de Apolo.

Ingredientes:
Massa:
175 g (1 e 1/2 xícara) de farinha de trigo
1/2 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de açúcar mascavo
50 g (1/4 de xícara) de manteiga
75 g (3/4 de xícara) de nozes moídas
1 colher (sopa) de sumo de limão
2 colheres (sopa) de água gelada

Recheio:
25 g (2 colheres de sopa) de manteiga
450 g de alho-poró em fatias finas (mais ou menos 3 alhos-poró)
175 g de queijo Roquefort em fatias (usei Gorgonzola)
2 ovos grandes
250 ml (1 xícara) de creme de leite fresco
2 colheres (chá) de estragão fresco picado (não usei)
Sal e pimenta-do-reino a gosto

Para a massa, peneire a farinha com o sal numa vasilha. Acrescente um pouco de pimenta-do-reino e o açúcar. Junte a manteiga e mexa com os dedos até formar uma farofa fina. Acrescente as nozes e misture bem. Adicione o sumo de limão e a água gelada e sove um pouco para formar uma massa – junte tudo até formar uma bola. Enrole-a com filme plástico e leve à geladeira por 30 minutos.
Preaqueça o forno em 190°. Passada a espera abra a massa numa forma de quiche (21 a 23 cm). Proteja as bordas da massa com papel alumínio (não fiz porque minha forma era de silicone) e faça vários furinhos nela com um garfo. Leve para assar por 15 minutos, retire o alumínio e asse por mais 10 minutos. Reduza a temperatura para 180°.
Para o recheio, derreta a manteiga numa panela e refogue o alho-poró por 10 minutos com a panela tampada. Ponha sal a gosto e deixe por mais uns 10 minutos, até que fique macio. Distribua o alho-poró sobre a massa e por cima coloque as fatias de Roquefort. Bata o creme de leite com os ovos e tempere com sal e pimenta-do-reino. Acrescente o estragão e jogue a mistura por cima do recheio.
Agora a torta deve assar por cerca de 30-40 minutos até que o recheio cresça um pouco e esteja firme e dourado. Deixe esfriar por alguns minutos antes de servir.

Fonte: Afternoon Tea – Molly Perham.