O que comi no Chile, Parte 1


Feliz 2012 a todos! No Natal eu sumi um pouco porque passei uma semana no Chile, a maior parte do tempo na cidade de Santiago. Foi uma viagem incrível, e embora eu não costume falar de restaurantes ou viagens aqui, achei que seria uma boa maneira de começar. Infelizmente eu não tirei fotos com a intenção de publicá-las depois, portanto nem sempre elas serão agradáveis, mas fica o registro para quem tiver interesse de conhecer o país, pois muita informação bacana sobre a viagem eu encontrei em blogs, então posso acabar ajudando alguém. Lembrando que sou uma pessoa de vida modesta, então não frequentei lugares muito caros. Não foi uma viagem no estilo turismo gastronômico, os passeios foram a prioridade.

De uma maneira geral, achei a comida com preço muito justo, para não dizer barata, em comparação com a minha cidade. Em todos os restaurantes você irá receber, como cortesia, um cestinho com pães e algum molho ou manteiga para acompanhar, enquanto espera sua refeição. Os pratos sempre são fartos, muitos até exagerados, então pense bem antes de pedir entradas. Em alguns casos nos arrependemos de não dividir. Quase nunca pedimos sobremesa, pois além de não serem boas, nunca havia espaço para tanta comida! O forte mesmo dos chilenos são os peixes e os frutos do mar, mas ao contrário do que me avisaram, digo que há muitas outras opções, tanto para quem é alérgico a mariscos, quanto para quem ama carnes, quanto para vegetarianos, mesmo nos restaurantes mais simples. Além disso, as frutas e os sucos naturais são deliciosos e frescos. Tomei muito suco de framboesa, de laranja e de chirimoya, que é uma espécie de ata deles, que tem o sabor parecido com o de graviola. Apesar da uva ser uma das riquezas do país, não espere encontrar suco de uva em nenhum lugar. Da uva, apenas bebidas alcóolicas: o vinho, o pisco e a chicha. O clima é muito seco, então além de tomar muito suco, ande sempre com uma garrafinha de água.

Ao chegarmos no primeiro dia, era plena noite de véspera de Natal, mas não nos animamos com a ceia do Hotel, que era cara e sem graça. Além disso, serviram um cardápio natalino no avião, então queríamos fugir dessa possibilidade. Como nosso quarto tinha uma varandinha com mesa e vista para a cidade, optamos por pedir, pelo serviço de quarto, um full burguer, que era rápido e certeiro.
No segundo dia, depois de subir o Cerro Santa Lucía e andar muito pelo Centro, paramos no Bairro Bellavista no primeiro restaurante que apareceu na nossa frente: o La Palmera. Simples, com comida ótima e serviço muito eficiente. Os sucos eram sensacionais, principalmente o de laranja. Comemos Salmão na manteiga com purê de batatas (peixe com batatas é o prato mais comum por aqui), Congro com salada e Omelete de legumes com Empanaditas de queijo.

Fomos então subir o Cerro San Cristóban: lá em cima tomamos um Mote com Huesillos, uma bebida típica feita de suco de pêssego com pêssegos cozidos e uma espécie de trigo no fundo. O visual não é muito animador, mas é docinho e refresca. À noite, como era feriado e tudo estava fechado, fomos comer uma pizza na vizinhança, no italiano La Pizza Nostra. O local tem um clima de que já foi melhor, a pizza é razoável e enorme. Eles alegam que é individual, mas é do tamanho das nossas pizzas grandes. Muitas opções de sabores, mas não teríamos escolhido o local se não fosse feriado. De qualquer forma, eles servem um sorvete artesanal de frutas muito bom.

No dia seguinte fomos visitar a vinícola Concha Y Toro e acabamos tendo que degustar vinhos logo cedo. Depois da viagem de volta, arriscamos um almoço no Boulevard do Shopping Parque Arauco: escolhemos aleatoriamente mais uma vez, dessa vez uma franquia do restaurante peruano Tanta. Esta foi uma ótima escolha, já que todo mundo comenta que os restaurantes peruanos são muito bons. Depois de uma delicioso pãozinho (o melhor da viagem) e um suco de framboesa vencedor, na nossa mesa teve: um risoto de frutos do mar picante, um lombo de porco com mandioca e cebolas e um salmão com arroz de choclo. Eu comi um ravióli de queijo de cabra com manjericão, tomates frescos e parmesão. Foi unanimidade o quanto estava tudo perfeito. À noite estávamos muito cansados e fomos no francês Le Bistrot, a um quarteirão do hotel, onde o Ric comeu um Filé ao molho roquefort com batatas confitadas na gordura de pato e eu comi um Crêpe fermière, com frango, cogumelos, cebola e queijo. Pode parecer pomposo, mas nossa conta não deu nem 50 reais. Ambiente aconchegante, porém, como havia muitos fumantes, no final do jantar já queríamos ir embora. Continua na parte 2. [Parte 3] [Parte 4]

Anúncios

10 comentários sobre “O que comi no Chile, Parte 1

  1. Estou adorando seu passeio por Santiago! Passei uns dias por lá há uns 10 anos, mas não me lembro de ter conhecido restaurantes tão legais. Algo que também me impressionou foi a quantidade de fumantes em tudo quanto é lugar.

    Vou esperar para conferir mais da sua viagem!

    Beijos e feliz 2012!

    • Letícia, realmente o pessoal de Santiago fuma muito! A gente não chegou a conhecer todos os restaurantes que queria, muitos não aceitam reserva, você tem que chegar cedo e no nosso caso, com tantos passeios pra fazer, era impossível. A gente acabava comendo no primeiro lugar que aparecesse, mas assim também é legal para descobrir coisas novas. Beijinho! Feliz Ano Novo! 😀

    • Karen, é um dos poucos que você ainda não foi aqui na América do Sul, não é mesmo? Acredito que você irá gostar. Existem os locais para não fumantes, mas é uma injustiça os fumantes ficarem sempre com as melhores mesas ao ar livre, rs. Nesse bistrot que fomos era tão pequeno que a fumaça chegava na nossa área, era inevitável. Beijo!

  2. Luna, também voltei do Chile recentemente e tive a mesma impressão. Lá se come melhor e mais barato do que no Brasil, pelo menos em São Paulo e Ribeirão Preto. Desta vez fiquei pouco em Santiago, mas da última vez fomos na Concha y Toro, amamos o passeio. Beijos!

    • Lu, suas postagens foram de grande ajuda, no final inclusive vou fazer a referência. Nossa, muita coisa achamos barato em relação à Fortaleza. Aqui a comida boa é muito elitizada! Beijo!

  3. muito bom e úteis o conteúdo publicado. Procuro um local legal para o reveillon de 2012, penso em algo na zona rural. Valeuuu !

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e responderei aqui mesmo.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s