15

Barrinhas de Tapioca

Conhecidas por Cuscuz de Tapioca ou Tapioca de Forma, conheci essas barrinhas na época em que fiz meu curso de Confeitaria, apesar de serem comuns no Nordeste. A textura das bolinhas macias de tapioca e o sabor do coco podem fazer uma festa num lanche da tarde ou café da manhã de final de semana. Simples e delicioso.

Flocos de Tapioca:

Ingredientes (para cerca de 16 barrinhas):
250 g de flocos de tapioca
200 ml de leite de coco
250 ml de leite
1 xícara rasa de açúcar
100 g de coco ralado
Uma pitada de sal
Leite condensado a gosto para servir

Misture os flocos, o açúcar e o sal numa tigela grande. Leve ao fogo o leite e o leite de coco, até levantar fervura, e despeje sobre os flocos, mexendo bem. Cubra e deixe descansar por 10 minutos. Junte então metade do coco ralado misture mais uma vez. Coloque a mistura num refratário (usei um quadrado de 20 cm), alise com uma colher, nivelando tudo e deixe esfriar um pouco. Salpique o restante do coco ralado, tampe com filme plástico e leve à geladeira por 4 horas. Corte em barrinhas e sirva com leite condensado. Dura vários dias na geladeira, desde que se use o leite condensado apenas nas porções que serão servidas.

Obs: a receita pode ser feita em uma versão salgada. Para isso basta retirar o açúcar e acrescentar um pouco mais de sal. Pedaços de queijo coalho ou parmesão ralado também é uma boa. Nesse caso você poderia servir com requeijão ou manteiga.

6

Clafoutis de Ameixa

Sobremesas quentinhas me parecem ainda melhores em um lanche da tarde do que mesmo após as refeições. Essa ameixa pequena (não lembro o nome dessa variedade) é bem doce e assada fica ainda mais especial. Acompanhe com um bom sorvete e o conforto está completo.

Ingredientes:
400 g de ameixas (a receita sugere 7 ameixas grandes, usei 9 pequenas)
1/3 de xícara de farinha de trigo
1/3 de xícara de açúcar (mais um pouco para polvilhar)
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara de creme de leite
3 ovos grandes
Um pouco de manteiga para untar a forma

Preaqueça o forno em 180º. Unte um refratário pequeno ou médio com manteiga e polvilhe com um pouco de açúcar. Distribua as ameixas sobre o refratário cortadas ao meio e sem sementes (eu usei ameixas inteiras, cortei um pouquinho da base para que ficassem em pé). Numa tigela grande, misture bem o trigo, o açúcar, a baunilha, o creme e os ovos com ajuda de um fouet para que fique homogêneo. Despeje por entre as frutas e leve para assar por cerca de 35 minutos ou até que cresça e fique dourado. Sirva quente com sorvete de baunilha.

Fonte: Modern Classics Book 2 – Donna Hay.

12

Trifle de Framboesa e Creme de Queijo

Embora eu ache a data muito fofa, não costumo comemorar o Valentine’s Day. Ainda assim não consigo deixar de lembrar de duas coisas: o Charlie Brown levando sua maletinha pra escola, esperando receber muitos cartões, e sobremesas feitas com morango ou framboesas.
Este trifle é tão simples de fazer que nem precisa esperar por datas especiais, como vocês podem ver no vídeo abaixo. Ainda assim fiz algumas alterações na receita original, apenas para que ficasse mais prática pra mim. Então, se você gosta de fazer algo especial para essa data, mas em plena terça-feira não se programou, eis uma opção rápida e cheia de coraçõezinhos.

Ingredientes (4 porções):
12 biscoitos champanhe
4 colheres (sopa) de Cointreau (ou use o suco que liberar das frutas)
400 g de framboesas frescas ou descongeladas (pode ser morango, amora, mirtilo…)
4 colheres (sopa) de açúcar
1/2 xícara de cream cheese (originalmente mascarpone)
1/2 xícara de creme de leite
1/2 xícara de leite condensado (originalmente adoçado com açúcar)
1 colher (chá) de extrato ou essência de baunilha

Corte os biscoitos ao meio e forre o fundo dos copos ou taças com eles, usando 3 biscoitos para cada porção. Regue-os com o licor. Misture as framboesas com o açúcar e amasse tudo com um garfo, misturando tudo. Jogue por sobre os biscoitos, distribuindo para todas as taças. Com um fouet, bata o cream cheese com o creme de leite, a baunilha e o leite condensado até que fique bem liso. Cubra a sobremesa com esse creme. Leve para gelar até a hora de servir. Caso você faça o creme com antecedência e deixe na geladeira, pode montar a sobremesa na hora de servir.

Fonte: Adaptado de Donna Hay – Fast, Fresh, Simple, Episódio 3 (Fox Life).

16

Bolo Fudge de Chocolate

Se você nunca tentou fazer um bolo festivo, poderia começar com esse. A massa é muito fácil de fazer e não requer batedeira ou técnica avançada. O segredo é apenas retirar do forno na hora certa, mas para isso é só ficar atento nos últimos minutos. A cobertura, então, é maravilhosa, rápida de preparar e aplicar: as pessoas irão pensar que você passou meia hora alisando o bolo com a espátula. E como se não bastasse, é um bolo maravilhosamente delicioso e úmido, daqueles que você sabe que irá preparar muitas vezes.

Bolo
Ingredientes:
150 g de chocolate meio amargo picado
2 xícaras (chá) de açúcar
1/2 xícara (chá) de leite + 1/2 xícara (chá) de água (usei 1 xícara de leite desnatado)
110 g de manteiga sem sal
1/3 de xícara (chá) de óleo (canola ou girassol)
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
4 colheres (sopa) de cacau em pó
1 pitada de bicarbonato de sódio
3 colheres (chá) de fermento em pó
2 ovos
Manteiga e Farinha de trigo, para untar e polvilhar

Cobertura
Ingredientes:
300 g de chocolate meio amargo grosseiramente picado
150 ml de creme de leite fresco
70 g de manteiga
1/2 xícara (chá) de lâminas de amêndoas torradas para decorar

Preaqueça o forno a 180°. Unte com manteiga uma fôrma redonda de 25 cm de diâmetro. Forre o fundo com papel manteiga, unte por cima do papel e polvilhe levemente com farinha de trigo (se quiser pode dispensar o papel, mas eu gosto de usar em bolos úmidos como esse). Numa panela, misture o chocolate picado, o açúcar, o leite e a água. Leve ao fogo médio, mexendo sempre. Quando derreter, retire do fogo. À panela com a mistura de chocolate, junte a manteiga e o óleo, deixando a manteiga derreter. Misture apenas para incorporar. Numa tigela grande, peneire a farinha, o cacau em pó, o bicarbonato e o fermento em pó. Despeje por cima a mistura de chocolate e misture bem. Adicione um ovo de cada vez, misturando bem em cada adição. Transfira a massa para a fôrma e leve para assar por cerca de 30 minutos (o meu demorou um pouco mais que 35 minutos). Depois de 30 minutos de forno, faça o teste do palito no centro do bolo a cada 3 minutos: ele não pode sair muito molhado e nem seco, apenas com migalhas úmidas grudadas no palito. Deixe o bolo esfriar na própria fôrma, sobre uma grade.

Para a cobertura, leve o chocolate ao microondas por 30 segundos, apenas para que ele amoleça um pouco (ele vai parecer duro ainda, mas por dentro ele já está aquecido). Em outro recipiente, derreta a manteiga também por 30 segundos e reserve. Numa panelinha, coloque o creme de leite e leve ao fogo médio. Quando ferver, retire do fogo e despeje no chocolate amolecido. Misture bem, até obter um creme liso. Acrescente a manteiga derretida e misture novamente. Faça a cobertura quando o bolo já estiver frio (você pode preparar o bolo de véspera e deixar a cobertura para o dia), assim ela atinge o ponto de secagem mais facilmente.

Montagem do bolo: depois de desenformar o bolo no prato em que vai servir (você pode deixar o fundo do bolo como topo, pra deixá-lo mais liso na parte de cima), retire o papel manteiga e despeje a cobertura no centro do bolo. Você vai espalhar a cobertura apenas movimentando o prato, girando de forma que a cobertura vá caindo nas laterais e percorrendo todo o bolo. Dessa forma a cobertura fica bem lisa, sem necessidade de usar espátula. Se for usar espátula, use apenas nas laterais, mas não é necessário. Limpe as bordas, se quiser, caso tenha escorrido muita cobertura no prato. Distribua as amêndoas na borda do bolo (eu acabei colocando nas laterais também, mas é um trabalho desnecessário). A cobertura deve endurecer levemente, mas continua macia e brilhante.

Fonte: No Calor do Fogão e Panelinha.

14

Suflê de Banana

Depois de fazer os panetones, eu precisava aproveitar algumas claras e bananas e preparei esse suflê. Bem simples, gostoso, mas nada demais. Como eu deixei as claras passarem um pouco do ponto, a receita rendeu muito e o sabor da banana ficou um tanto fraco. Apesar disso, ficaram bem altos. Numa próxima vez, eu apelaria para uns pedacinhos de chocolate na hora de incorporar, só pra salientar mais o sabor da fruta.

Ingredientes:
2 bananas maduras
3 colheres (sopa) de água
1/3 de xícara + 1 colher (sopa) de açúcar
4 claras
Pitada de sal
Pitada de canela

Separe alguns ramequins para os suflês. A receita pede 4 unidades, mas no meu caso o suflê rendeu muito e usei o dobro. Unte-os com manteiga (pode polvilhar com açúcar, mas não fiz).

Preaqueça o forno em 200°. Processe ou amasse bem as bananas até virar um purê liso. Numa panelinha, misture 1/3 de xícara de açúcar com a água e leve para ferver. Baixe o fogo e deixe cozinhar por uns 4 minutos ou até engrossar e o açúcar dissolver. Junte a banana e a canela a essa calda e mexa só até incorporar. Reserve para que esfrie totalmente.

Bata as claras com o sal até espumar. Junte a colher de açúcar restante e bata até formar picos moles (as minhas ficaram um pouco mais firmes, talvez por isso renderam mais). Incorpore a mistura de banana nas claras em neve. Distribua nos ramequins untados e arrume-os numa assadeira. Leve para assar e imediatamente baixe o forno para 180°. Asse por 10 a 15 minutos ou até que fiquem altos e levemente dourados.

Fonte: Sugarlaws.

16

Musse de Chocolate Vegana


É engraçado como aparecem pessoas para dizer como você deve viver sua vida. Parece frase de status do Facebook, mas não deixa de ser assustador. E o mais impressionante é que essas pessoas querem que você viva como elas, da maneira que acham certo, segundo seus próprios princípios, como se houvesse um molde de vida que servisse a todos ou fôssemos personagens de um videoclipe do Pink Floyd, marchando a favor de ser mais um tijolo na parede. E como se não bastasse, isso tudo vindo de quem no passado te inspirou a ser alguém livre de preconceitos e livre para escolher o diferente, quando verdadeiro.
Eu guardo a inspiração e escolho viver minha verdade, ainda que ela não faça sentido para quem está de fora.
E o que isso tem a ver com uma musse de chocolate? Só o fato dela ser diferente e ter que enfrentar tantos preconceitos, a coitada. Mas embora ela não entre nos moldes tradicionais de uma musse, é uma sobremesa agradável e singular, lutando para ser aceita no mundo.
Quem me indicou essa musse foi minha querida amiga Socorro, que tem estado em busca de receitas sem lactose para a filha. No meu paladar o abacate fica evidente (já testei com abacate comum e com avocado), mas muita gente que fez a receita sente apenas o sabor do cacau, portanto ajuste os ingredientes conforme seu gosto. Acompanhada de biscoitinhos doces fica bem saborosa.

Ingredientes:
300 g de abacate bem maduro (usei 2 avocados, o peso aqui é da polpa, sem casca ou caroço)
1/3 de xícara de cacau em pó
1 xícara de açúcar mascavo (adoce a gosto com o que preferir, já fiz com mel e fica muito bom)
6 castanhas-do-pará (serve para não deixar a musse aguada, caso use água)
1/4 de xícara de água mineral ou filtrada (somente se for necessário)
1/2 colher (chá) de rum (ou baunilha ou algum licor de sua preferência)

Com um processador ou liquidificador, bata a castanha-do-pará com um pouco da água pra formar um leite. Adicione o abacate e o açúcar e processe. Junte o cacau e os demais ingredientes até que fique cremoso e homogêneo. Se for necessário (principalmente se estiver fazendo num liquidificador com pouca potência), junte um pouco de água com cuidado, apenas pra facilitar o processo. Prove e veja se é necessário mais cacau ou mais açúcar conforme o seu gosto. Leve para a geladeira por no mínimo 2 horas. Na foto finalizei com raspas de castanha-do-pará.

Fonte: Cooking Books.

12

Sorvete de Limão Siciliano com Leite de Coco


Fazia tempo que eu não preparava um sorvete e os limões estavam implorando para serem usados. Como gosto muito de limão com coco e sempre me sinto tentada a usar leite de coco em tudo, acabei substituindo o leite da receita. Um sorvete para quem aprecia o cítrico, ainda que a cremosidade do leite de coco seja um belo coadjuvante.

Para fazer as raspas bem finas, use um ralador fino. Eu uso um zester que eu adoro, o 40020, da Microplane (não é propaganda, apenas uma dica). Já tenho o meu há bastante tempo mas ele continua perfeito. É um dos meus utensílios favoritos.

Ingredientes:
As raspas bem finas de 3 limões sicilianos
1/2 xícara de sumo de limão espremido na hora
3/4 de xícara de açúcar
Pitada de sal
4 gemas (use as claras pra fazer Pavlova)
200 ml de leite de coco (ou 1 xícara de leite)
2 xícaras de creme de leite (usei 1 xícara do fresco e 1 xícara do de caixinha)

Numa tigela, misture as raspas e o sumo do limão com o açúcar e o sal. Misture e leve para a geladeira por 2 horas. Esquente o leite de coco numa panela média. Quando iniciar a fervura, retire do fogo. Numa tigela grande, bata as gemas e vá adicionando o leite em fio, sempre batendo. Volte a mistura para a panela em fogo baixo, mexendo constantemente até que engrosse um pouco (no ponto em que encostando as costas de uma colher ela fique coberta pelo creme). Passe esse creme por uma peneira e leve à geladeira por no mínimo 2 horas.
Depois que a mistura de limão e o creme de leite de coco estiverem bem gelados, misture os dois e acrescente o creme de leite. Siga as instruções de sua máquina de sorvete (na minha eu deixo no mínimo 15 minutos, até que fique com consistência de milkshake grosso). Leve para o freezer até ficar no ponto de sorvete.

Fonte: Use Real Butter.

Outros Sorvetes de Limão:
Sorvete de Limão da Nigella
Sorvete de Torta de Limão

16

Pavlova de Chocolate com Framboesas


Acredito que a Pavlova cada vez mais tem se tornado um dos meus doces favoritos. Eu fico feliz quando sobra claras de outra receita pra que eu possa prepará-la. Apesar de ter um sabor tão especial, nada mais é que uma base de merengue coberta com creme e frutas, e leva esse nome por homenagem à bailarina Anna Pavlova. Esta feita com chocolate, portanto, seria, digamos assim, uma versão Odile da sobremesa.

Neste vídeo abaixo a Nigella usa 6 claras, mas o preparo é o mesmo: eu tive que aproveitar o que eu tinha e segui as quantidades da receita que sempre faço. Para que não fique tão bagunçada como a minha, você pode usar o creme batido para cobri-la e usar framboesas bem frescas: as minhas estavam meio sem graça e resolvi esmagá-las um pouquinho. Caso você não tenha framboesas, use morangos ou qualquer outra fruta que combine com chocolate.

Ingredientes:
4 claras
Pitada de sal
250 g de açúcar
2 colheres (sopa) de cacau em pó
2 colheres (chá) de vinagre
50 g de chocolate em barra picado grosseiramente
200 ml de creme de leite (usei de caixinha)
400 g de framboesas (ou outra fruta de sua preferência)

Preaqueça o forno em 180°. Risque um círculo de 20 cm num pedaço de papel manteiga e reserve-o juntamente com uma assadeira. Usando a batedeira, bata as claras com o sal até que forme picos lisos. Com a batedeira ligada, vá jogando o açúcar, em colheradas, até que surja um merengue firme e brilhante. Fora da batedeira, acrescente o vinagre, o cacau peneirado e o chocolate picado. Incorpore com a ajuda de uma espátula, com cuidado. Despeje o merengue com cuidado sobre o papel, formando a base da pavlova, seguindo a linha do círculo e achatando um pouco o topo. Você pode deixar as laterais bem lisas ou formar picos, como queira. Leve ao forno e imediatamente baixe a temperatura para 150°. Deixe assar por cerca de 1 hora: o merengue deverá crescer e ficar bem seco e quebradiço por fora. Desligue o forno, abra a porta e deixe esfriar completamente com a porta do forno aberta.
Retire o papel manteiga da base e aqui você tem duas opções: a Nigella costuma inverter a base e usar o fundo como topo. Eu prefiro deixá-la na mesma posição em que assou, acho que fica mais bonito. Separe a base num prato de servir. Se você for usar creme de leite fresco, bata-o até atingir o ponto anterior ao chantilly. Se usar o de caixinha, simplesmente despeje-o sobre o topo da pavlova: é assim que costumo fazer. Despeje as frutas sobre a pavlova. Se desejar, jogue por cima raspas de chocolate.

Fonte: Nigella Lawson – Programa Forever Summer – Episódio 6, “Brown”.

38

Sacripantina [5 anos de blog]


Não sou muito fã de tortas feitas com pão-de-ló, mas sempre tive curiosidade com a torta Sacripantina, uma sobremesa de origem italiana que fez muito sucesso no Brasil na década de 50 e que lembra um pouco o Tiramisù. Pelo pouco que encontrei sobre a torta, ela foi inventada por Giovanni Preti, em 1851, para homenagear o personagem Sacripante, do poema Orlando Furioso, por sua personalidade arrogante, sedutora e robusta.

Realmente, robusta é uma boa definição para a Sacripantina, com suas camadas de creme amanteigado à base de zabaione, enriquecidas com café e chocolate e cobertas por biscoitos Amaretti. É uma torta trabalhosa, para ocasiões especiais, e ela foi escolhida para comemorar os 5 anos do Quiche de Macaxeira.

Caso queira diminuir o teor alcoólico da receita, sugiro molhar o bolo com uma calda comum de açúcar ou diluir um pouco a bebida que for usar. Do contrário, faça um brinde a cada fatia.

E não esqueçam de conferir o resultado do sorteio!

Ingredientes:
Pão-de-ló:
60 g (1/2 xícara) de farinha de trigo
55 g (1/2 xícara) de amido de milho
1 pitada de sal
4 ovos, em temperatura ambiente, separados
3/4 xícara de açúcar
1 colher (chá) de extrato ou essência de baunilha

Recheio:
150 g de chocolate meio amargo picado
2 colheres (sopa) de café instantâneo
2 colheres (sopa) de água
4 gemas grandes
3/4 de xícara de açúcar
1/3 de xícara de conhaque (usei Cointreau)
300 g (1 e 1/2 xícara) de manteiga

Montagem:
1/2 xícara de vinho Marsala ou do Porto (usei do Porto)
3 xícaras de biscoito amaretti ou biscoito champanhe esmigalhado
Açúcar de confeiteiro e/ou cacau em pó a gosto

Aqueça o forno a 180°. Unte o fundo e as laterais de 2 fôrmas de 20 cm de diâmetro (usei 2 fôrmas comuns de 18 cm, a receita sugere uma forma grande de aro removível de 20 cm). Forre o fundo das fôrmas com um disco de papel manteiga e polvilhe tudo com um pouco de farinha de trigo, retirando bem o excesso.

Para a massa, primeiro separe numa tigela pequena a farinha, o amido e o sal. Reserve.
Bata as gemas na batedeira com 1/4 de xícara do açúcar e a baunilha, até que fique um creme esbranquiçado. Em uma outra tigela, bata as claras em velocidade baixa, até espumar. Aumente a velocidade gradualmente e bata até formar picos moles. Vá acrescentando o açúcar restante, 1 colher de chá de cada vez, e continue batendo até formar picos firmes. Com uma espátula, misture as gemas às claras. Acrescente a farinha, peneirando por cima, em três adições e incorpore delicadamente. Despeje a massa nas fôrmas e asse o pão-de-ló por 20 a 25 minutos (os meus assaram em 22 minutos) ou de 35 a 45 minutos se usar apenas uma fôrma grande. Ele deve ficar dourado e passar no teste do palito. Passe uma faca ao redor da fôrma, para soltar a massa, retire o papel, desenforme e deixe esfriar sobre grade.

Para os recheios, derreta o chocolate em banho-maria ou microondas e dissolva o café em 2 colheres de água. Reserve-os. Bata as gemas e o açúcar, junte o conhaque e coloque-os numa tigela em banho-maria com água quente, sem ferver (a tigela não deve encostar na água). Bata essa mistura constantemente, até engrossar (você pode fazer isso com um fouet ou usar uma batedeira de mão). Retire do fogo e continue batendo por 4 a 9 minutos até esfriar, adicionando 1 colher de sopa de manteiga de cada vez (nessa parte é melhor com batedeira). Bata até ficar um creme liso. Divida o creme em duas partes iguais. Ao primeiro creme você adiciona o chocolate derretido e, ao segundo, o café dissolvido. Em cada um, bata mais um pouco para que misture bem.

Para a montagem, corte cada pão-de-ló em duas camadas iguais (ou em quatro camadas iguais, se fizer na fôrma grande) com a ajuda de uma faca grande de serra. Pincele as camadas com o vinho Marsala ou do Porto, umedecendo bem. Espalhe com uma espátula um pouco de creme de café sobre uma camada do pão-de-ló. Cubra com mais uma camada do bolo e espalhe por cima uma parte do creme de chocolate (cerca de 6 colheres de sopa). Coloque por cima mais uma camada de bolo e espalhe umas 5 colheres do creme de café. Cubra novamente com bolo e espalhe o creme de chocolate sobre toda a torta. Leve à geladeira por alguns minutos e espalhe o restante do creme de café sobre tudo. Polvilhe toda a torta com os biscoitos esmigalhados e leve para gelar. Antes de servir, polvilhe com cacau em pó e/ou açúcar de confeiteiro.

Fonte: Recorte antigo sem fonte, acredito que alguma revista Claudia antiga.

4

Crumble de Pêras e Blueberries [Sem Glúten]

Não me surpreendi ao constatar que essa versão fica até mais saborosa do que a receita que costumo fazer e que serviu de base pra esta. Sementes e castanhas são excelentes substitutos no crumble justamente por serem mais crocantes. Caso queira, o açúcar pode ser diminuído, especialmente se as frutas que você usar estiverem doces. Para fazer a farinha sem glúten, você pode usar uma mistura de castanhas e sementes da sua preferência, eu usei o que eu tinha em casa. Eu não testei, mas pode ser usada uma parte de amido de milho ou farinha de arroz também.

Ingredientes:
6 pêras (usei portuguesas)
200 g de blueberries (opcional)
1 colher (chá) de canela (pode ser opcional, se quiser menos canela)
Farofa doce (crumble):
1/2 xícara de açúcar
1/2 xícara de açúcar mascavo
1 e 1/4 de xícara de farinha sem glúten*
1 colher (chá) de fermento (sem glúten, observe a embalagem)
1 ovo

*Farinha sem glúten:
2 colheres (sopa) de semente de linhaça
2 colheres (sopa) de quinoa em flocos
2 colheres (sopa) de gergelim
O quanto baste de amêndoas ou outro tipo de castanha

Cobertura:
2 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (chá) de canela
1 colher (sopa) de manteiga derretida

Preaqueça o forno em 160°. Prepare primeiro a farinha: bata no liquidificador quaisquer sementes que você queira usar com um bom punhado de amêndoas suficiente para que a mistura renda pouco mais de uma xícara. Deixe o mais fina que puder.
Misture todos os ingredientes do crumble, inclusive a farinha preparada, e reserve. Fica parecido com areia molhada.
Corte as pêras em cubos, misture-as com as blueberries e a canela e despeje tudo sobre um refratário untado com manteiga. Cubra as frutas com a farofa, distribuindo bem, fazendo uma camada, sem misturar. Para a cobertura misture o açúcar e a canela e salpique por cima. Por último despeje a manteiga por cima de tudo. Leve para assar por 1 hora. Sirva com sorvete de creme.