13

Arroz Verde, Carne de Panela e Abóbora Assada


Para participar do evento da Akemi, “Comidinhas do dia-a-dia”, posto aqui algo que faço muito (o arroz verde), algo que faço raramente (carne de panela) e algo que nunca havia feito (abóbora assada). Embora eu não goste muito de arroz, acho ele essencial com carne vermelha e gosto sempre de adicionar a ele algum legume, como cenoura ralada ou milho verde, ou então faço ele assim verdinho. Apesar de gostar muito de abóbora, nunca havia feito assada e ficou muito bom, ainda que eu tenha sido tímida no tempero com medo de ficar exagerado. Tomei como base uma receita do Jamie Oliver e outra da Valentina, ambas picantes. Foi um almoço bem simples e aconchegante.

Arroz verde: a diferença de preparo é somente na água de cozimento, que eu bato no liquidificador com um ramo inteiro de coentro (folhas e talos). Esse arroz combina muito bem com qualquer carne assada, principalmente com frango, e até quem não gosta de coentro se rende.

Para a carne eu uso bifes bem grossos de lagarto (1 kg) e tempero com 1 colher (sopa) de sal, 2 dentes de alho amassados, 1 cebola picada grosseiramente, pimenta-do-reino a gosto e 1/2 xícara de vinagre. Furo a carne e deixo no tempero por 2 horas na geladeira. Depois, frito a carne com um pouco de óleo na panela de pressão, cubro com água e fecho. Depois de chiar, conto 50 minutos. Nessa hora eu abro a panela, retiro o caldo para usar em outra receita (ou então faço um pirão, pra acompanhar) e deixo mais uns minutos na pressão pra carne ficar mais sequinha.

A abóbora que eu usei foi a abóbora-menina, aquela de pescoço, que lembra a butternut squash. Corte a abóbora no comprimento em 8 fatias e arrume-as numa assadeira com óleo ou azeite, sal e pimenta. Acrescente temperos e especiarias: eu usei orégano seco, alho em flocos, páprica doce e chili em pó. Só não usei coentro pois já tinha no arroz e na pressa esqueci de acrescentar 2 pimentas dedo-de-moça. Leve para assar em 200° por cerca de 30 minutos (eu deixei mais pois queria bem macia).

Anúncios
16

Sloppy Joes


Esse tipo de receita é ideal para as sessões de vídeo que acontecem aqui em casa e, apesar de temer que o pessoal fosse achar picante demais, foi um sucesso. Servi com alface e queijo mozarela, ficou muito bom. É bom também que seja servido com alguma bebida gelada, um suco ou refrigerante doce, para aqueles que têm pouca resistência à pimenta. Não modifiquei quase nada da receita da Cinara: só o cominho que eu não usei pois não tinha em casa, acrescentei colorau e fritei o alho junto com a carne. Dê uma olhada na receita original para saber mais sobre esse sanduíche picante.

Ingredientes:
800 g de carne moída (patinho)
1 cebola picada
3 dentes de alho amassados
1 pimentão picado (usei vermelho)
1 lata de molho de tomate
1 xícara de água
1 colher (chá) de chili em pó
1 colher (chá) páprica doce
1 colher (chá) de cominho em pó (não usei)
1 colher (chá) de vinagre branco
1 colher (chá) de orégano
1 colher (sopa) de colorau ou colorífico (opcional)
3 colheres (sopa) de açúcar mascavo
1/2 colher (chá) de sal
1/2 colher (chá) de pimenta-do-reino
8 pães de hamburger

Numa panela grande, frite a carne com o alho, a cebola e o pimentão mexendo sempre com espátula ou colher de pau, para que a carne fique bem soltinha. Deixe o líquido da carne secar. Misture o molho de tomate e a água e mexa até incorporar. Acrescente os demais ingredientes, misturando bem. Deixe em fogo baixo por 10 ou 15 minutos, até engrossar o molho. Sirva com fartura sobre os pães de hambúrguer.

Fonte: Cinara’s Place.

14

Bolo de Carne Americano

Fiquei maravilhada com esse Meatloaf da Cinara. É muito gostoso e úmido, além de prático e simples de fazer. Fica um pouco picante, mas com um leve doce, delicioso, só mudei um pouquinho a quantidade de sal. Esse molhinho por cima é de matar. Vai virar receita do nosso dia-a-dia.

*Só uma observação: eu sempre reproduzo a receita de outro blog no meu blog (ao invés de deixar só o link) porque quero manter arquivado comigo, pois às vezes os links se perdem, dá falha no servidor, os blogueiros migram ou acabam seus blogs e vou acabar ficando sem a receita. Falo isso porque já tive blog e já aconteceu de eu perder coisas importantes confiando no link. Mesmo assim sempre espero que quem vê a receita aqui visite o post original, pois cada experiência é única e a mesma receita, feita com os mesmíssimos ingredientes, nunca sai do mesmo jeito.

Ingredientes:
Loaf:
500 g de carne moída (usei patinho)
1/2 xícara de aveia em flocos finos
2/3 xícara de leite (usei desnatado)
1 cebola grande picada
1/2 colher (chá) de sal
1/2 colher (chá) de pimenta-do-reino

Molho:
2/3 xícara de catchup (usei o Heinz)
2 colheres (sopa) de vinagre de maçã
Pouco menos de 1/2 xícara de água
1 e 1/2 colher (sopa) de molho inglês (usei o Lea & Perrins)
1 e 1/2 colher (sopa) de açúcar

Preaqueça o forno a 180°. Misture a carne, a aveia, o leite, a cebola, o sal e a pimenta. Coloque em uma fôrma de bolo inglês, untada com manteiga. Misture bem os ingredientes do molho e espalhe por cima. Asse por 1 hora e meia.

Fonte: Cinara’s Place.

22

Baião-de-dois


Ultimamente aqui em Fortaleza as casas especializadas em baião-de-dois fazem o que se pode chamar de baião “branco”, com feijão verde. Mas o baião que eu gosto é desse tipo que o arroz toma um pouco a cor do feijão (de corda ou preto) e essa receita agradou todo mundo que veio almoçar aqui hoje. Ele fica pastoso (eu cheguei a pensar que tinha colocado muita água, mas quando vi a foto do livrinho de onde tirei vi que estava igual ao meu). Vou colocar como fiz, no original havia toucinho, que eu substituí pelo bacon, no lugar do óleo era azeite de oliva, e por minha conta acrescentei nata, que é essencial num baião, pra mim. Nada light, realmente, mas de ficar triste de felicidade e como o estrago estava feito (porque não precisava, por ser prato único), ainda foi acompanhado por macaxeira frita. Bom demais.

Ingredientes:
1 kg de carne-seca cortada aos pedaços
2 e 1/2 xícaras de feijão de corda
100 g de bacon em cubos
5 litros de água
4 dentes de alho
1 cebola grande
4 colheres (sopa) de óleo de girassol
1 e 1/4 xícara de arroz
1/4 xícara de coentro picado
1/4 xícara de cebolinha verde picada
200 g de queijo coalho cortado em forma de bastão
4 colheres (sopa) de nata salgada

Dois dias antes coloque a carne-seca numa tigela grande, cubra com água e deixe na geladeira coberta, trocando a água a cada 4 horas (troquei apenas umas 3, 4 vezes por dia e só). Na véspera, coloque o feijão numa tigela média, cubra com água e deixe de molho até a hora de preparar a receita (não deixe passar de 12 horas, pro feijão não fermentar).
Escorra a água do feijão e da carne-seca e transfira-os para uma panela grande. Acrescente o bacon, 4 litros de água e leve ao fogo alto. Como a minha panela era grande, mas não tão grande, coloquei 2 litros de água e fui deixando sempre um litro para ferver em outra panela, pra ir acrescentando. Não quis fazer em panela de pressão pois era muito feijão e tenho a impressão que fica melhor assim. Não reparei muito no tempo, mas se não me engano em 2 horas de cozimento o feijão e a carne já estavam bem macios. Aqui é a hora de ver se está bom de sal, no meu caso precisou, apesar da carne salgada.
À parte, pique o alho e a cebola e refogue-os no óleo, em fogo médio, até dourar. Junte o feijão (ou junte ao feijão, se for continuar na mesma panela) e misture. Adicione o arroz, a água restante, o coentro, a cebolinha e cozinhe até o arroz ficar macio. Se quiser pode ir acrescentando a água aos poucos, se não quiser que fique muito pastoso.
Ainda tinha um pouco de água quando acrescentei a nata, misturei um pouco e depois o queijo. Deixe secar mais um pouco, mas ainda fica um pouco molhado, que seca à medida que vai esfriando.

Fonte: Cozinha Brasileira – Nordeste (Claudia Cozinha Especial), que se baseou numa receita de um livro de Raquel de Queiroz.