15

Barrinhas de Tapioca

Conhecidas por Cuscuz de Tapioca ou Tapioca de Forma, conheci essas barrinhas na época em que fiz meu curso de Confeitaria, apesar de serem comuns no Nordeste. A textura das bolinhas macias de tapioca e o sabor do coco podem fazer uma festa num lanche da tarde ou café da manhã de final de semana. Simples e delicioso.

Flocos de Tapioca:

Ingredientes (para cerca de 16 barrinhas):
250 g de flocos de tapioca
200 ml de leite de coco
250 ml de leite
1 xícara rasa de açúcar
100 g de coco ralado
Uma pitada de sal
Leite condensado a gosto para servir

Misture os flocos, o açúcar e o sal numa tigela grande. Leve ao fogo o leite e o leite de coco, até levantar fervura, e despeje sobre os flocos, mexendo bem. Cubra e deixe descansar por 10 minutos. Junte então metade do coco ralado misture mais uma vez. Coloque a mistura num refratário (usei um quadrado de 20 cm), alise com uma colher, nivelando tudo e deixe esfriar um pouco. Salpique o restante do coco ralado, tampe com filme plástico e leve à geladeira por 4 horas. Corte em barrinhas e sirva com leite condensado. Dura vários dias na geladeira, desde que se use o leite condensado apenas nas porções que serão servidas.

Obs: a receita pode ser feita em uma versão salgada. Para isso basta retirar o açúcar e acrescentar um pouco mais de sal. Pedaços de queijo coalho ou parmesão ralado também é uma boa. Nesse caso você poderia servir com requeijão ou manteiga.

10

Bolo Formigueiro de Iogurte com Cobertura de Chocolate

Enquanto o resto do país segue seu curso cá estamos em pleno feriado de segunda, com tempo livre para pôr leituras em dia e fazer bolos proibidos. Eu estava desejando um bolo formigueiro e tinha essa receita guardada há um tempo, mas como não gosto daqueles chocolates granulados com gosto de gordura hidrogenada, usei chocolate ralado mesmo. Pena que ralei muito fino e quase não dá pra perceber as formigas do bolo, mas o sabor ficou perfeito e a massa é bem fofinha. A Priscila sugere uma cobertura de brigadeiro, e realmente ficaria incrível, mas pela culpa e pela preguiça acabei fazendo uma ganache rápida. Não que precisasse, pois o bolo já é muito bom sem cobertura.

Ingredientes:
4 claras e 3 gemas separadas (ovos grandes), em temperatura ambiente
1 pitada de sal
100 g de manteiga
1 e 1/2 xícara de açúcar
250 ml ou 250 g de iogurte natural (equivalente a dois potes)
1 colher (chá) de extrato de baunilha
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó
100 g de coco ralado
1/2 xícara de chocolate meio-amargo ou ao leite, ralado grosso (ou use chocolate granulado)

Cobertura:
150 g de chocolate meio-amargo grosseiramente picado
75 ml de creme de leite fresco
35 g de manteiga

Unte e enfarinhe uma forma de bolo de buraco no meio. Preaqueça o forno em 180º. Na tigela da batedeira, bata a manteiga, as gemas e o açúcar até que fique um creme claro. Acrescente o iogurte e a baunilha e bata mais um pouco, apenas para misturar. Vá juntando a farinha de trigo aos poucos e em seguida o fermento. Retire a tigela da batedeira e, com uma espátula, incorpore o coco e o chocolate. Bata as claras em neve com o sal e incorpore à massa com cuidado. Despeje a massa na forma e leve para assar por cerca de 40 minutos (o meu assou em 50 minutos) ou até que fique dourado e passe no teste do palito. Deixe esfriar e prepare a cobertura: Esquente o creme de leite numa panelinha e acrescente o chocolate. Apague o fogo e misture até que fique homogêneo. Derreta a manteiga no microondas e acrescente, misturando bem. Aplique no bolo.

Fonte: Adaptado de Delícias da Priscila Beneducci.

10

Bolo de Cacau e Coco


Ontem foi um dia feliz. Daqueles que você acha que, mesmo com os problemas, está tudo certo, como deveria estar. Além disso foi aniversário da minha mãe, e levei pra ela esse bolo. Foi feito de última hora, porém com muito carinho. Ele é ótimo pra quem não gosta de bolos doces demais e o sabor do coco na massa fica sutil. É uma receita da Donna Hay e ela sugere apenas polvilhar com cacau e servir morno com chantilly, mas no caso achei melhor uma cobertura mais festiva e bem rústica, como eu gosto.

Ingredientes:
Bolo:
250 g de manteiga sem sal
3/4 de xícara de cacau em pó peneirado
1 e 1/3 de xícara de açúcar refinado (usei cristal)
3 ovos
1 e 1/2 xícara de coco ralado desidratado
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
1 e 1/2 colher (chá) de fermento em pó
3/4 xícara de leite (usei desnatado)

Cobertura:
150 g de chocolate amargo (usei 60%)
1/2 xícara de creme de leite
1/2 xícara de flocos de coco
1 colher (sopa) cheia de açúcar

Preaqueça o forno em 180°. Prepare uma forma redonda de 24 cm untando-a e forrando o fundo com um disco de papel manteiga. Derreta a manteiga, despeje-a numa tigela grande e deixe esfriar um pouco. Vá adicionando todos os outros ingredientes, misturando com um fouet, espátula ou colher de pau até que fique homogêneo. Distribua a massa na forma e leve para assar por 35-50 minutos (o meu assou em 40 minutos). Deixe esfriar sobre grade.
Cobertura de ganache: numa panelinha, em fogo baixo, leve o chocolate e o creme de leite para derreter, mexendo sempre, com cuidado para não queimar/ferver, até que fique brilhante. Cubra o bolo quando este já estiver frio.
Crocante rápido de coco: numa panela, junte o açúcar e os flocos de coco e em fogo baixo/médio vá mexendo até que os flocos fiquem dourados e o açúcar cristalize um pouco. Deixe esfriar (coloque na geladeira) antes de jogar por cima da cobertura.

Fonte: Modern Classics, Book 2 – Donna Hay.

15

Pavlova de Maracujá


Já perdi a conta de quantas vezes fiz essa Pavlova da Nigella, mas nunca havia postado a receita por aqui, até porque ela já está manjada nos blogs (o que é sinal de que é muito boa). É uma sobremesa leve no paladar e meio dramática no visual, dependendo do que você use como cobertura. É uma ótima maneira de servir frutas, mas eu acabo sempre usando maracujá. Mesmo que você use outros tipos de frutas, sugiro que use o maracujá como base, com ou sem sementes.
A Nigella possui várias versões dessa receita. Aqui utilizei a do livro Feast (meia receita, pois nesta ela usa 8 claras), mas no vídeo abaixo você pode conferir que é praticamente igual à versão do Bites.

Ingredientes:
4 claras
Pitada de sal
250 g de açúcar
2 colheres (chá) de amido de milho
1 colher (chá) de vinagre de vinho branco
1/2 colher (chá) de extrato de baunilha
200 ml de creme de leite (usei de caixinha)
2 ou 3 maracujás (e/ou outras frutas, de preferência mais azedas)
Coco ralado (opcional, não usei)

Preaqueça o forno em 180°. Risque um círculo de 20 cm num pedaço de papel manteiga e reserve-o juntamente com uma assadeira (geralmente uso a de pizza). Usando a batedeira, bata as claras com o sal até que forme picos lisos. Com a batedeira ligada, vá jogando o açúcar, em colheradas, até que surja um merengue firme e brilhante. Fora da batedeira, salpique o amido de milho e acrescente o vinagre e a baunilha. Incorpore com a ajuda de uma espátula, com cuidado, sem misturar muito, apenas para incorporar mesmo. Separe uma colher de chá do merengue e ponha sobre a forma, bem no centro. Ponha então o papel por cima: o merengue vai segurá-lo no lugar. Despeje o merengue com cuidado sobre o papel, formando a base da pavlova, seguindo a linha do círculo e achatando um pouco o topo. Você pode deixar as laterais bem lisas ou formar picos (como fiz), caso queira. Leve ao forno e imediatamente baixe a temperatura para 150°. Deixe assar por cerca de 1 hora e 15 minutos: ele deverá crescer e ficar bem seco e quebradiço. Desligue o forno, abra a porta e deixe esfriar completamente (confesso que essa parte de esfriar eu quase nunca obedeço).
Retire o papel manteiga da base e aqui você tem duas opções: a Nigella costuma inverter a base e usar o fundo como topo. Eu prefiro deixá-la na mesma posição em que assou, acho que fica mais bonito. Separe a base num prato de servir. Se você for usar creme de leite fresco, bata-o até atingir o ponto anterior ao chantilly. Se usar o de caixinha, simplesmente despeje-o sobre o topo da pavlova (se usar o de lata, tire o soro). Corte os maracujás e despeje-os com uma colher sobre a pavlova. Caso vá usar alguma outra fruta, finalize com ela. Outra opção é polvilhar coco ralado por cima.

Fonte: Feast: Food that celebrates life – Nigella Lawson.

21

Bolo Caipira de Milho com Cobertura de Goiabada


Nos últimos dias eu estava com uma vontade enorme de comer bolo de milho e hoje a Akemi apareceu com um que não deu pra resistir: de liquidificador e eu tinha certeza de ter tudo em casa. O problema é que quando eu comecei a olhar a despensa, faltava quase tudo, mas nada que a bodeguinha da esquina não resolvesse. Só não coloquei o coco em flocos por cima porque eu não queria que ficasse com mais gosto de coco que de milho, mas de resto segui tudo igual. Ah, e substituí o limão por um pouco de vinho do Porto na cobertura. Ficou delicioso e matei a vontade.

Ingredientes:
Bolo:
4 ovos grandes
200 g de açúcar
180 ml de óleo de canola ou milho
200 g de milho verde de latinha (usei um pouco mais porque minha lata era maior)
200 ml de leite de coco
150 g de flocos de milho pré-cozidos tipo vitamilho
50 g de coco ralado seco
1 colher (sopa) rasa de fermento em pó
Uma pitada de sal

Cobertura:
200 g de goiabada cortada em cubinhos
4 colheres (sopa) de água (mais ou menos)
Suco de meio limão (não usei, mas pra quebrar o doce, usei 2 colheres de sopa de vinho do Porto)
Coco ralado em flocos, hidratado com um pouco de água (não usei)

Preaqueça o forno a 180˚C. Unte e enfarinhe uma forma de buraco no meio de 22 cm de diâmetro.
No copo do liquidificador, coloque os ovos, o óleo e o açúcar. Bata por 5 minutos contados. Junte o milho verde e bata por mais 3 minutos. Adicione os demais ingredientes e bata apenas para incorporar tudo. Despeje na forma e leve para assar por cerca de 45 a 50 minutos ou até que esteja dourado e firme ao toque. Espere amornar para desenformar.
Para a cobertura, coloque a goiabada numa panelinha. Junte o suco de limão e um pouco de água. Leve ao fogo médio até ferver, junte mais água se necessário. Precisa ficar cremosa: não muito densa e nem fluida demais. Despeje quente sobre o bolo e espalhe os flocos de coco por cima.

Fonte: Pecado da Gula.

33

Sorvete de Coco


Esse sorvete é o mais repetido aqui em casa, pois fica delicioso. Algumas pessoas relutam em usar o leite de coco por acharem gorduroso, mas sou daquelas que focam em suas qualidades nutritivas, pois sei que faz muito bem à saúde. Nunca tentei usar nessa receita, mas acredito que substituir o creme de leite pelo creme de soja pode resultar num delicioso sorvete vegano, especialmente para aqueles que não podem comer nada derivado de leite mas têm vontade de um sorvetinho.

Ingredientes:
2 caixinhas de creme de leite ou creme de soja (ou 2 xícaras de creme de leite fresco)
200 ml de leite de coco
3/4 de xícara de açúcar
50 g de coco ralado

Bata todos os ingredientes no liquidificador até atingir a textura desejada, isto é, caso queira sentir bem a textura do coco ralado, bata menos; se quiser mais homogêneo, bata mais. Leve à geladeira por algumas horas antes de passar a mistura para a sorveteira. Na minha máquina deixo bater por 15-20 minutos antes de levar ao freezer.

31

Bolo de Cuscuz da Lica


Sabe aqueles bolos que você tem que se segurar pra não comer o terceiro pedaço? Esse é um deles. Acrescentei apenas umas raspas de tangerina à massa e deu um perfume e sabor bem marcantes, gostei muito.

Ingredientes (xícara de 200 ml):
4 ovos
1 xícara de leite
3/4 de xícara de óleo de milho (usei de girassol)
1 e 1/2 xícara de açúcar
4 colheres (sopa) de queijo ralado
50 g de coco ralado
1 e 1/2 xícara de farinha de milho
Raspas de uma tangerina (opcional)
1 colher (sopa) de fermento em pó

Coloque todos os ingredientes no liquidificador (com exceção do fermento e das raspas) na sequência acima e bata até ficar homogêneo. Despeje a massa numa vasilha e incorpore delicadamente o fermento e as raspas. Leve para assar em forno médio preaquecido (180°), numa assadeira untada com bastante manteiga até que fique bem dourado e passe no teste do palito (usei uma assadeira pequena redonda, levou uns 40 minutos para assar no meio).

Fonte: Feijão no Prato.

14

Queijadas de Sintra [Sopa de Letras]


Essa receita é minha participação ao evento Sopa de Letras. É engraçado que neste caso não é o romance que me lembra a comida, mas a comida que me lembra o romance. Sempre que vejo queijadinhas lembro do episódio das Queijadas de Sintra do Cruges no livro Os Maias. Mas como é um episódio longo, deixo aqui outro trecho da obra em que as ditas são citadas. A receita da massa pesquei da Elvira e o recheio foi baseado neste. Ficaram muito gostosas!

Vou aproveitar e dar mais uma chance a quem não conseguiu participar: dia 15 de julho. Neste dia eu listo aqui todo mundo que participou para que a Socorro e eu façamos o sorteio do livro.

Apesar de Eça não ser um dos meus autores favoritos, gosto muito desta obra (especialmente os diálogos entre Ega e Carlos) e sou apaixonada pela Literatura Portuguesa.

“A porta abriu-se – e o Ega parou, assombrado, intimidado, de chapéu branco, de guarda-sol branco, e com um embrulho de papel pardo na mão.
– Maria – disse Carlos – aqui tens enfim o meu grande amigo Ega. E ao Ega disse simplesmente:
– Maria Eduarda.
Ega ia largar atarantadamente o embrulho, para apertar a mão que Maria Eduarda lhe estendia, corada e sorrindo. Mas o papel pardo, mal atado, desfez-se; e uma provisão fresca de queijadas de Sintra rolou, esmagando-se, sobre as flores do tapete. Então todo o embaraço findou através de uma risada alegre – enquanto o Ega, desolado, abria os braços sobre as ruínas do seu doce.”
Os Maias – Eça de Queiroz

Ingredientes:
Massa:
350 g de farinha
1 pitada de sal
75 g de manteiga
1 ovo
120 ml de água

Recheio:
500 g de queijo fresco (usei minas frescal)
4 gemas
40 g de farinha de trigo
260 g de açúcar branco
20 g de coco ralado
1 g de canela

Para a massa, processei (com a faca para massas) a farinha com o sal e a manteiga cortada em pedaços. Se não tiver processador, amasse tudo com a ponta dos dedos. Juntei o ovo e fui colocando a água aos poucos pelo tubo do processador, até a massa ficar lisa e uniforme. Abri a massa com o rolo na bancada e recortei 12 círculos de 12 cm. Sobrou massa para forrar uma fôrma de quiche (reserve para outra receita, se quiser).
Faça cortes nos círculos para formar as tigelinhas de massa e distribua todas em formas de muffin. Reserve e faça o recheio, esmagando o queijo, com as gemas e o açúcar até ficar uma massa bem misturada (também fiz no processador, com a lâmina). Junte a farinha, o coco e a canela e misture bem.
Recheie as tigelinhas e leve para assar em forno de 190° por cerca de 30 minutos.

Fonte: Ao Acaso e Elvira’s Bistrot.

38

Bolo de Limão e Coco


Com excesso de limão na geladeira tive vontade de fazer um bolinho simples, porém marcante. Fui na busca dos blogs de culinária e pronto: achei este, simplesmente perfeito para o que eu queria. A diferença é que a receita é pra ser feita com os limões inteiros, só sem sementes, mas tive medo do bolo ficar amargo demais. Optei por retirar toda a parte branca dos limões e adicionei um pouco de côco: ficou extremamente cheiroso, macio e úmido. Minha irmã veio aqui em casa na hora que estava no forno e juro: ela sentiu o cheiro já no elevador!

Ingredientes:
2 limões sicilianos
4 ovos
2 xícaras (chá) de açúcar
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1/2 colher (sopa) de fermento em pó
200 ml de leite de coco
50 g de coco ralado

Retire as raspas dos limões (só a parte amarela) e reserve. Descarte toda a parte branca com uma faquinha e fique só com a polpa, sem as sementes. Bata as raspas amarelas e a polpa com os ovos no liquidificador até ficar homogêneo. Junte o açúcar e bata mais um pouco. Passe a mistura para uma tigela e acrescente a farinha, batendo com um fouet até ficar liso. Incorpore o leite de coco, depois o coco ralado e por último, o fermento. Despeje a massa numa fôrma de bolo inglês untada e enfarinhada e leve ao forno preaquecido (160-180°). Asse até ficar dourado e passar no teste do palito, cerca de 40 minutos.

Fonte: Paparocas.

42

Pudim de Tapioca


Quem anda por aqui conhece a minha luta com o caramelo, mas sabe que hoje eu até que consegui? Foi um feito: ficou com gosto de caramelo e não amargou, mas ainda vou lutar mais um pouco pra aprender. A cautela foi tanta que eu fiz só um pouquinho, mas o pudim é tão gostoso que não fez diferença. A receita pesquei do blog da Bia, minha querida amiga secreta, que finalmente recebeu seus presentes.
Eu imaginei que por ser de goma ele poderia ficar com uma textura parecida com tapioca, levemente elástica, mas fica como qualquer outro pudim, só que com a casquinha diferente. Como não costumo desenformar pudins (nunca dá certo), usei uma fôrma de vidro para pudins: é ótima pra visualizar no forno e depois vai direto pra geladeira, recomendo. Mas como ela tem a capacidade de 1 litro e meio, fiz apenas meia receita.

Ingredientes:
1 litro de leite
1 xícara (chá) de fécula de mandioca (polvilho doce, goma, tapioca)
200 g de côco ralado
4 ovos
1 xícara (chá) de açúcar
1 lata de leite condensado (395 g)
1 colher (sopa) de manteiga
1 pitada de sal

Ferva o leite e misture-o com a fécula numa tigela. Deixe descansar por 30 minutos, para hidratar. Preaqueça o forno em 180°.
Bata no liqüidificador os ovos, o côco e um pouco do leite com fécula, já frio. Bata por 3 minutos. Adicione os outros ingredientes e bata bem. Faça um caramelo na forma (capacidade de 2 litros para a receita inteira) e despeje nela a mistura. Leve ao forno em banho-maria por 1 hora e meia. Espere amornar para desenformar.

Fonte: L’amour dans l’assiette.